A Tempestade


por Franscisco Sales


A primavera, doce na hora que partiu
O sol no poente suspenso
num adeus de luz a primavera
o céu criando estrelas peregrinas.

Naquela tarde
chegou a tempestade,
rugindo, louca, infinita,
abaixou os astros
e fustigou o mundo.

No dia seguinte
depois da tempestade,
sempre vem a calmaria;
estava tudo despedaçado
pela fúria extravagante.

Agora é dia,
lá fora a chuva cessou,
deixando um verniz no tempo.
E os pássaros, na melodia
dos seus cantos.

O céu amanheceu,
em pranto meditando,
e as nuvens com medo
fugiram, fugiram,
com medo da maldição.

Sergio Glenes

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.